sábado, 15 de outubro de 2016

sábado, 24 de setembro de 2016

O que é Narcisismo:



Narcisismo é um conceito da psicanálise que define o indivíduo que admira a sua própria imagem de forma exagerada, e nutre uma paixão excessiva por si mesmo.
O termo é derivado de Narciso. Segundo a mitologia grega, Nasciso era um belo jovem que despertou o amor da ninfa Eco. Mas Narciso rejeitou esse amor e por isso foi condenado a apaixonar-se pela sua própria imagem refletida na água. O que o levou a cometer suicídio por afogamento. Posteriormente, a mãe Terra o converteu em uma flor (narciso).
Estando relacionado com o auto-erotismo, o narcisismo consiste em uma concentração do instinto sexual sobre o próprio corpo.
Pessoas narcisistas normalmente são fechadas, egocêntricas e solitárias.

De acordo com  Sigmund Freud, o pai da psicanálise, o narcisismo é uma característica normal em todos os seres humanos. Está relacionado com o desenvolvimento da libido (com o desejo sexual, eros).   Seguindo a linha psicanalítica de Freud, dizemos que o narcisismo como perversão sexual é uma fixação transitória da infância, em si normal. Está correlacionado, em parte com a homossexualidade e o exibicionismo, entre outras características da conduta sexual.

Todavia o narcisismo se transforma em patologia, ou seja, passa do estado normal para o doentio, quando a pessoa entra em conflito com ideias culturais e éticas, de forma excessiva, dificultando as relações normais do indivíduo no meio social.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

"Proteja as suas emoções, e serás um gênio na saúde emocional!" (Jose Nilton, Psicanalista)



segunda-feira, 25 de julho de 2016

NOSSO E-BOOK

SEJA UM PSICANALISTA, Faça o curso de formação em Psicanalise Clínica. Entre em contato conosco, através do nosso e-mail.

quarta-feira, 18 de maio de 2016

CONHEÇA AS FOBIAS, E COMO VENCE-LAS



Falar de fobia, é falar de um problema mais comum que se imagina. A fobia, ou medo persistente de algo...  Não são poucas as pessoas que sofrem esse problema. Se você que está lendo agora sofre com fobia, espero que esse tema venha ajuda-lo.

Podemos definir a fobia, como um medo persistente e sem razão, de um determinado objeto, animal, atividade ou situação que represente pouco ou nenhum perigo real, que justifique a ansiedade extrema.

A DIERENÇA ENTRE A FOBIA E ANCIEDADE:
A Fobia em si, nem sempre é uma doença. Pode ser apenas um sintoma de outra causa subjacente – normalmente é um transtorno mental. Daí podemos observar, que o medo sentido por pessoas que têm fobia é completamente diferente da ansiedade natural dos seres humanos.
O medo, por si só, é uma reação psicológica e fisiológica, que surge como resposta a possibilidade de ameaça ou alguma situação de perigo. Ao passo que a fobia não segue uma lógica ou seja não há uma razão, tornando a ansiedade algo incoerente com o perigo real que aquilo representa.
Normalmente a fobia é de longa duração, e provoca intensas reações físicas e psicológicas, podendo até comprometer seriamente a qualidade de vida da pessoa.

Tipos de Fobias
 É difícil definir o número de fobias. Segundo os dicionários médicos há muitas centenas. As fobias, tem seus nomes derivados da conjunção do nome grego que indica a coisa temida ao sufixo fobia.
As fobias, vão desde o medo intenso de lugares cheios de pessoas (agorafobia) ou de situações sociais (fobia social), até o medo de animais, objetos ou situações específicas (fobia simples).
1. A agorafobia: inclui medo de espaços abertos, da presença de multidões, da dificuldade de escapar rapidamente para um local seguro (em geral a própria casa). A pessoa pode ter medo de sair de casa, de entrar em uma loja ou shopping, de lugares onde há; multidões, de viajar sozinho. Muitas pessoas referem um medo aterrorizante de se sentirem mal e serem abandonadas sem socorro em público. Muitas pessoas com agorafobia apresentam também o transtorno de pânico.  

2. Fobia social: é aquela em que a pessoa tem medo de se expor a outras pessoas que se encontram em grupos pequenos. Isto pode acontecer em reuniões, festas, restaurantes e outros locais. As vezes são situações restritas a uma situação, como por exemplo, comer ou falar em publico, assinar um cheque na presença de outras pessoas ou encontrar-se com alguém do sexo oposto. Pessoas há que apresentam também baixa auto-estima e medo de críticas. Usualmente a pessoa nessas situações apresenta rubor na face, tremores, náuseas. Em casos extremos pode levar a pessoa a isolar-se completamente do convívio em sociedade.

3. Fobias especificas (ou isoladas): são aquelas restritas a uma situação ou objeto altamente específicos, tais como, animais inofensivos (zoofobia), altura (acrofobia), trovões e relâmpagos (astrofobia), voar, espaços fechados (claustrofobia), doenças (nosofobia), dentista, sangue, entre outros.
De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Doenças Mentais, a fobia simples pode ser dividida em, pelo menos, cinco categorias:
·                     Sangue, injeções ou feridas
·                     Aspectos do ambiente natural (trovoadas, terremotos, etc.)
·                     Animais (aranhas, cobras, sapos, etc.)
·                     Situações (alturas, andar de avião, elevador ou metrô, etc.)
·                     Outros tipos (medo de vomitar, contrair uma doença, etc.).

As Causas das Fobias
A causa de muitas fobias ainda é desconhecida pelos médicos. contudo, há fortes indícios de que a fobia em muitas pessoas pode estar relacionada ao histórico familiar, levando a crer que fatores genéticos possam representar um papel importante na origem do medo persistente e irracional.
As fobias também podem ter uma ligação direta com certos traumas e situações passadas. A maioria dos problemas psicológicos é motivados por dificuldades que uma pessoa enfrentou ao longo da vida. Todas as pessoas passam por momentos difíceis, e algumas delas desenvolvem, com o tempo, sentimentos de angústia que no decorrer do tempo, tende a evoluir para um quadro de fobia.
Apesar dessas causas, não estarem totalmente esclarecidas, os médicos e psiquiatras acreditam que há uma série de fatores, como:

Idade - Alguns tipos de fobia se desenvolvem cedo, geralmente na infância. Outras ocorrem durante a adolescência e há aquelas que também surgem no início da vida adulta, até por volta dos 35 anos de idade.

Histórico familiarEstá provado, que se alguém de sua família tiver algum tipo fobia, você tem mais chances de desenvolvê-la. Esta poderia ser uma tendência hereditária, mas muitos especialistas acreditam que uma criança pode aprender e adquirir uma fobia, somente observando as reações de uma pessoa próxima, da mesma família, a alguma situação de pouco ou nenhum perigo.

TemperamentoOutra possibilidade de se desenvolver uma fobia específica está no temperamento. Se você tiver temperamento difícil, for sensível e tiver um comportamento mais inibido e retraído do que o normal, isso pode leva-lo a desenvolver esse problema.

Evento traumático - Uma situação traumática ou uma série de eventos traumáticos que uma pessoa passe ao longo da vida, podem levar a desenvolver um tipo de fobia.

Dependem muito do tipo de fobia que você tem. Todavia, independentemente do tipo, algumas características são comuns em todos os indivíduos que apresentam fobias:
·                     Sentimento de pânico incontrolável, terror ou temor em relação a uma situação de pouco ou nenhum perigo real.
·                     Sensação de que você deve fazer todo o possível para evitar uma situação, algo ou alguém que você teme.
·                     Incapacidade de levar sua vida normalmente por causa de um medo ilógico.
·                     Presença e aparecimento de algumas reações físicas e psicológicas, como sudorese, taquicardiadificuldade para respirar, sensação de pânico e ansiedade intensos, etc.
·                     Saber que o medo que sente é irracional e exagerado, mas mesmo assim não ter capacidade para controlá-lo.

COMO TRATAR AS FOBIAS
·          O tratamento, na maioria dos casos dos medos irracionais principalmente nas crianças, pode ter um bom resultado, um vez que é mais fácil alterar o estilo cognitivo que aplica o pequeno sobre as coisas.
·         O terapeuta deverá ter em conta os elementos presentes no momento, em que a pessoa, manifesta a fobia, as situações que rodeiam esse momento e coisas que fazem, para que o medo se manifeste.

·         Existem certos medicamentos, que podem ajudar a tratar as fobias, mais normalmente o método escolhido, e que recomendamos seja a terapia e aprender técnicas de relaxamento. Há situações, em que esse tratamento medicamentoso, precisa ter o acompanhamento terapêutico. A terapia pode ser individual, cognitiva comportamental (concentrada em ajudar a pessoa a aprender novas formas de controlar a ansiedade e os ataques de pânico quando/se ocorrem) ou terapia familiar.